DUAS GRANDES LIÇÕES

MENSAGENS DE LUZ

DUAS GRANDES LIÇÕES


Consigo compreender a tua necessidade de fazeres as
coisas que sentes.
Deixar a vida fluir, aceitar mudar de direcção. Ficar ao
sabor do vento, guiado pelo próprio movimento do íman da
vida.
Compreendo e aceito.
Aceito e abençoo.
Mas deves perceber que, apesar de eu compreender e
dizer-te que tens esse direito, inclusive de te ensinar que
deves lutar por ele, devo avisar-te que a tua vida não se vai
tornar propriamente fácil.
As pessoas à tua volta querem certezas.
Elas são como tu eras ao princípio.
Querem certezas emocionais, querem segurança.
Estão mais apegadas a ti do que a elas próprias.
E, como tal, não querem que tu mudes.
A tua mudança vai desestruturar as suas certezas, vai
abanar as suas vidas.
Elas não gostam do caos. Elas não sabem que só aceitando
o caos é que se muda realmente. Só aceitando que
não tens de ser hoje quem foste ontem, que tens de te
reinventar todos os dias, só aceitando isso é que vais realmente
avançar no sentido da evolução.
Os outros têm planos para ti.
Principalmente planos que não agitem muito as suas
vidas. E a tua mudança não é definitivamente um deles.
O que fazer?
Mudar, seguir a tua estrada e desagradar todos à tua
volta ou deixar tudo como está e arriscares-te a morrer de
tédio, consumido pela mesmice, com uma essência tosca e
sem brilho?
Aprende uma coisa. Há muitas alturas na vida – muitas
mesmo – em que dizer que sim aos outros pode significar
dizer não a si próprio.
E tu vens fazer evoluir a tua alma, não a dos outros.
Mas também sei que não os queres fazer sofrer. Eu compreendo.
Mas pensa assim. Pensa que eles também terão de aprender,
e se não aprenderem por ti, irão ter de aprender pela
vida, e as lições da vida podem ser dadas através das tuas
próprias acções.
Confuso? Eu explico.
Imagina que nós cá em cima percepcionamos que está
na hora de a pessoa A ou B desapegar. Está na hora de
promover desapego emocional para que ela olhe definitivamente
para a sua essência.
Essa pessoa precisa de atrair uma perda emocional para
desapegar.
E imagina também que tu estás a aprender a deixar fluir,
e deixar fluir é ouvir-se, é dar prioridade à sua essência.
O cenário está completo, a pessoa precisa de desapegar e
tu precisas de te deixar ir para te encontrares.
Naturalmente que tu irás ser a perda dessa pessoa.
Quanto mais necessidade tiveres de ir embora, de não depender
mais, de deixar fluir a vida noutra direcção, mais a
pessoa vai sentir que te está a perder e vai começar a entrar
em desespero.
Resumindo.
Com um só evento – a tua vida a fluir, tu a aprenderes a
respeitar-te – promovo duas grandes lições.
Fruição e interiorização para um e desapego e interiorização
para outro – já viste que a interiorização está sempre
presente?
Por isso, quando pensares que a tua necessidade de que
a tua vida flua mais faz os outros sofrer, pensa que pode
ser assim mesmo, pode ser essa a intenção do céu.
E que essa tua acção pode ter a ver com a evolução do
outro e que a todo este intricado energético nós, cá em
cima, poderíamos chamar de… desígnio.


JESUS

O Livro da Luz – Pergunte, o Céu Responde, de Alexandra Solnado

Alexandra Solnado, DUAS GRANDES LIÇÕES, desígnio, aprendizagem, evolução espiritual, revolução da alma, espiritualidade, propósito.

Junho 2021

Canalização para o momento atual

No momento atual estamos passando por diversas mudanças, climáticas, atmosféricas, estruturais e daremos um salto de 200 anos em 50. Segundo os mentores espirituais, a raça humana passará por alguns “cataclismos”, isso não significa que vai acontecer aquele apocalipse bíblico ou dos filmes. O apocalipse é interno e muito sutil. Zumbidos, tonturas, alterações sensoriais, tato, olfato, paladar, ouvido, tudo será extremamente afetado. Os animais, plantas, minerais, toda a realidade como a conhecemos vai mudar drasticamente. E essa mudança é sutil, fisicamente sentiremos. Como quando vc sai do clima tropical pro ártico… Quando vc sai da montanha e vai pra praia. Como aquele desconforto estomacal quando sobe no avião, elevador, ou anda muito tempo de ônibus, carro… Quando viaja de navio ou cavalo, camelo… Esse tipo de cataclismo. Não, o céu não vai cair, o chão não vai se abrir… O gelo continuará derreter, os lugares continuarão virar desertos, outros inundarão dentro da normalidade. Prestem atenção e cuidem dos hábitos, alimentares, comportamento, pensamento, busquem um conhecimento maior de si e do meio. Aprendam coisas novas… O salto não é só pra um grupo premiado. É para todos! Cada um com seu grau de consciência e evolução, vai sentir, alguns vão sentir um desconforto, outros uma dor latente outros podem até não aguentar e morrer. Aprendam com essa pandemia. Autoconhecimento, empatia, consciência de coletividade, são palavras importantes neste novo cenário. Não existe bom ou ruim. Existe caos. É como reformar uma casa, arrumar uma gaveta, cozinhar um alimento, criar uma nova realidade é transtorno, desconfortável e muitas vezes doloroso. Reclamar não resolve, morrer também não, e esperar um salvador ou um milagre está fora de cogitação. Cada um se reconheça, pois a medicina moderna e as mídias pouco ou nada sabem sobre esses acontecimentos, estão preocupados com outras questões. Tome sua responsabilidade na mudança, se precisar de ajuda peça, se puder ajudar ajude. Não há manual de instrução e estamos no mesmo barco. Tem gente que vai apreciar e até se divertir na viagem, tem gente que vai detestar e vomitar o tempo todo. E ambos serão acolhidos e cuidados, ninguém ficará desamparado.

Canalizado via Sirion Ashtak

A.Mar

Foto tirada por mim ao céu de lisboa, junho 2020.

#16junho

Eu hoje estou de parabéns. Não, não é o meu aniversário. Hoje comemoro um renascimento, o meu renascimento.
Nesta data, no ano de 2019, iniciei uma das fases mais evolutivas da alma humana. Renasci para uma nova vida, uma vida plena da certeza e confiança que a presença que nos cerca EXISTE. Essa presença justa e benévola que nos proporciona só o que merecemos, quando merecemos e se fizermos por o merecer,  em amor.
Sou uma abençoada, consigo senti-lo desde a muito tempo. Hoje reconheço que sou merecedora dessa benção! Eu fiz por merecer.
Hoje, completamente siente das minhas imperfeições avanço para superar cada defeito que detete, que encontre, com que me depare em mim mesma. Uma construção constante, consciente que cada desafio, cada dificuldade, cada avanco e recuo-o são na verdade oprtunidades de superação, de emacipacao.
Com estas palavras, venho agradecer, reconhecer e enaltecer que o PAI que nos abraça é o mesmo que nos ensina.
Coincidentemente, neste junho de 2021, tomei decisões que concerteza estão apoiadas por ELE, para uma nova transformação, um novo renascimento, uma nova vida!

2021.06.16 = 5.6.7
“Siga.. o caminho é para a frente” e cá vamos nós outra vez.

OBRIGADA! OBRIGADA! OBRIGADA!
Assim é!

2020…

Bons Dias!

Vamos entender a espiritualidade em tempos difíceis..

Se tu te sustentas a alimentar a vida espiritual do outro, não é espiritualidade é economia.

Se a tua espiritualidade é alimentada de fora para dentro não é espiritualidade é religião.

Se precisas da espiritualidade para pertencer a grupos ou se pertences a grupos por causa da espiritualidade, (chama se privilégios, interesses sociais.) Não és espiritualizada és interesseira.

A espiritualidade são atos solitários, altruístas, compladescentes.

Covid’izer: 2020

Pandemia 2020

Reza a história que as pandemias matam milhões e milhões de pessoas causam caos, horror, privações, sofrimentos e medos.

Desde à séculos que se têm verificado epidemias impiedosas, pandemias globais. A cada recuperação deparamo-nos com saltos evolutivos, a comunidade, sociedades reivindicativas, organizações industriais, movimentos cívicos, economias estruturadas, mercados financeiros, modernidade, assim foi até aos dias de hoje, o mundo da tecnologia, sustentabilidade, ecologia de ecosistemas.

Tecnologia, o paradoxo, o que nos une também é o que nos separa.

A causa e o efeito egoísta que aprisiona milhares em todo o mundo quer incentivando ao consumo, ao livestyle à satisfacao de prazeres, ao ego inflamado quer por perigo ou por medo ou fuga à realidade.

Mas o que a pandemia tem haver com a modernidade? Nada.

Absulatutamente nada. Ou tudo, absolutamente tudo.

Dando a volta à história do mundo num ápice laico e retórico resumo. A historia da sua história, da nossa história, na minha historia.
O que nós humanos andamos a fazer afinal? Nada…

Permitimos que o egoísmo, a ambição, a falta de humildade nos roube a autenticidade em prol de algo que nem se vê, a opinião, aos olhos dos outros, resoluções fáceis, soluções externa aos problemas subjetivos, em alicerces comuns de status quo?

“É preciso mudar..”, “É a mudança.”, “Evento que vai mudar isto!”- Dizem por aí…

Vivemos à tempos inundados de medo, dor, escassez e destruição.
Porque haveria de ser o “evento” de união e compaixão” ser despultado pelo medo e privações? Qual seria a mudança afinal? Nenhuma..

Não deveriam de seres esses humanos em eventualidade de ser eles mesmos a criar soluções a questões de caráter e humanidade, a cada dia, todos os dias, em cada momento?

Tu que tens feito, afinal..?
Em casa, no trabalho, na tua rua, com a tua gente, és tu que tens de fazer acontecer o tal “evento” ou não? É mais fácil esperar que sejam os outros, eles, aquele, beltrano ou fulano ou sicrano a resolver os teus assuntos ou as cenas dos outros? Não! Tens de ser aquilo que procuras, que acreditas, que precisas. Sem desculpas ou justificações que te comprem, que te moldem os defeitos ou feitios.

Quantos homens e mulheres hoje, reiteram a alta voz que o codvirus19 e a solução humanitária mundial.
Solução que anseiam que seja célere e resolutiva.

Mas..,
Como é que um vírus que mata os mais fracos e débeis imunológicamente, enfraquece poder económico das classes baixas, pode salvar uma humanidade?
Parece me mais uma chacina com objetivos e alvos claros.. ou será esta a ideia que os humanos tem da humanidade, a subtração de classes?
O cúmulo do perigo confunde se com capacidade de amar, respeitar o outro.

E mais..,
Parece me um contrassenso acreditar que remédios, soluções e consequencias humanitarias sejam da responsabilidade de seres não humanos, sejam eles, virus ou entidades.

E a reviravolta do planeta terra por todos os abusos que os homens tem cometido.. – Ouvi dizer. Castigo?

Nestas bases,
Que tipo de seres humanos glorificam uma guerra economico-biologica?

Que tipo de seres obedecem a sistemas que os escravizam em prisões mentais que os impedem de discernir do poder, da força vontade, do intelecto?

Qual o desempenho social de cada um, senão o apelo e a prática da não socialização?

Um Isolamento imposto como medida preventiva de saúde publica que priva o organismo de vitamina D?

Querem nos doentes.. Ou há quem só se queira salvar?

Adiante,
Que tipo de seres humanos acreditam que vão ser resgatados como nos contos infantis colocando em risco vidas de pessoas inocentes, familiares, amigos em favor de uma crença inusitada causada por praticas seculares de atos impregnados de sangue e remorso?

Questões, revoltas e silêncios ..

A falta de humanidade Mata muito mais que a baixa imunidade.

Que raio de humanos somos nós que de humanidade temos pouco ou nada.. apenas, assustados com a merdum que fazem sem lhe assumirem o cheiro disfarçando a coisa pelas ações sociais, donativos e doações em causas sociais de grande escala? Sempre, mais do mesmo…

Que espécie de seres somos nós que esperamos que o codvirus19-um virus mortalmente implacável com os mais fracos e debeis torne as pessoas mais humanas, íntegras, respeitosas, sinceras e sensíveis? Aniquilação…

A história repete se, over and over again!

Como confiar em mudanças impostas pelo exterior com base em esforços desumanos de integridade mínimas de sobrevivência quer para infetados, afetados, defuntos, trabalhadores da linha da frente, comunidade em geral?

Privados de alguns direitos fundamentais. Alienados de guerras financeiras. Estamos confinados pelo desespero de ter de confiar no lobo em pele de cordeiro.

Presta atenção!

A mudança começa em ti… sempre ouvi dizer, foi o que aprendi por mim mesma. És tu que tens de fazer a mudança, a tua mudança. A mudanca quer do estilo de vida, modo de agir, crenças ou padrões, conceitos.

És tu. Só tu!

Não. Não vai ficar tudo bem.

#pandemia2020, #covid19, #coronavirus, #novaera, #evento, #espiritualidade, #intuição, #autoconhecimento #desenvolvimentopessoal

Sobre Nietzsche. O que a sociedade faz com os gênios. #1

Friedrich Nietzsche (1844 – 1900)

A inteligência foi uma maldição para Nietzsche. Rejeitado desde a infância, cercado de beatas melancólicas, jovem taciturno e solitário, adulto fracassado, doente, incompreendido. Atormentado, pensou coisas “além do bem e do mal”, colocou a inteligência no papel, escreveu muito, aforismos, poemas filosóficos de causar aneurismas, publicou em vida, mas não foi lido. Ninguém entendeu, ninguém quis. Como seu Zaratustra isolou-se em si, na arrogância de seu super, além do homem. Esmagado por enxaquecas terríveis, perdendo a visão e a sanidade, pendulou de um lugar a outro procurando a paz no mundo, em diferentes paisagens bucólicas, sabendo que a guerra era interna. Enfim, triste, abandonado por todos e por si mesmo, encontrou-se na Itália, hóspede de um simples quarto com catre e cadeira, banheiro coletivo no corredor. Um dia, os pensamentos fincando como alfinetes, vislumbres como cortes de navalha, escutou um cavalo sendo açoitado na rua. Brados enraivecidos contra o indefeso animal, o chicote estalando, sangue e relinchos para todo lado. Os transeuntes ocupados sem perceber a cena, cada um preso em suas mesquinhas responsabilidades. Nietzsche rompeu à rua, em desespero atroz, rangendo os dentes na direção do açoite, rosnando blasfêmias contra o algoz. Era o fim do maior filósofo desde Kant: abraçado ao cavalo, chorando, chorando, chorando seu desespero. Enfim, desmaiou para nunca mais. Quando acordou era um nada, um catatônico Nietzsche sem frases inteligíveis, olhar parado, babando. Morreu uma década depois, sob cuidados da irmã, Elizabeth Förster-Nietzsche, aquela que não lhe compartilhou da inteligência e que, por falta dela, serviu para a terrível interpretação de Nietzsche pelo Nazismo.

#Nietzsche

#a.mar

Tour 2019 🛬

França-Suíça-Alemanha

De “A” a “V”.

De “A” de Ana a “V” de Ver, Vaguear, Vigiar, Viajar.

Viajar é conhecer o mundo interno e externo. E, é a bagagem que se carrega na mão, nas costas, na alma, da vida.

Ana

#mulhouse-basel-freiburg

#2019 #amsm

Os 144 Mil

É um tema que tem gerado muita controvérsia pela mais diversa especulação em torno da definição dos 144.000. Existe uma gama de diferentes interpretações onde muitos torcem o sentido bíblico segundo as suas próprias carências, limitações, crenças ou conveniências.
Contudo, há dois pontos que podemos desde o início deixar bem claros:
1º – O 144.000 é um número simbólico;
2º – Este é um grupo especial entre a inumerável multidão dos salvos.
144.000 é um número múltiplo de 4 e de 12, que em profecia é um símbolo de plenitude. Na Bíblia nós temos 12 patriarcas, 12 tribos de Israel, 12 apóstolos, 12 fundamentos, 12 portais etc.. Temos também os 4 anjos a segurar os 4 ventos dos 4 cantos da Terra, reforçando assim a ideia de plenitude.
Uma profecia não pode ser interpretada como sendo parcialmente literal e parcialmente simbólica. Ou é uma ou outra.

 

 

 

#espiritualidade #144.000 #Jesus #Bíblia #montesião #cosmogenese #esoterismo #mitos #israel

EL ALMA GEMELA DE CAPRICORNIO – HORÓSCOPO NEGRO

Relacionamentos

BUSCAR A OUTRA METADE DA LARANJA?! Ou querer ser uma laranja inteira para compartilhar com outra laranja inteira.
Poucos já alcançaram o patamar evolutivo de não precisar de alguém para “completá-los”.

São pessoas que não sentem a necessidade de relações à “moda antiga”, casando, tendo filhos e coisas do tipo. Sentem-se bem em sua própria companhia, estão completos. Diferente de sentir solidão, vivenciam à solitude, que é viver bem consigo mesmo e não estão presas às convenções socioculturais.

Os relacionamentos nos servem para o nosso autoconhecimento. A verdade é que, por meio deles nos relacionamos pouco com o outro e muito mais com nós mesmos.

É um paradoxo.

A necessidade de um relacionamento é gerada pela falta de integração interna. Sim, quem pensa que está se relacionando com outras pessoas e que elas são complicadas, ainda não compreendeu o básico dos relacionamentos.

Acontece que estamos sempre nos relacionando com as nossas crenças, com o que pensamos e sentimos. É o nosso microcosmo interior que age todo o tempo.

Pessoas e situações que surgem na vida são um espelho de algo que precisamos aprender, sobre quem somos, quais as fragilidades e o que é necessário transformar.

E quando sentimos um incomodo, precisamos entender que não é culpa da outra parte, mas é um problema nosso, com o nosso mundo interno. Lembrando sempre que o que vemos do lado de fora é o que temos do lado de dentro.

A necessidade de um relacionamento é gerada pela falta de integração interna. Encontramos no outro o que ainda não achamos em nós. Partes escondidas que não reconhecemos no universo íntimo.

Então, ter necessidade de um relacionamento é diferente de se relacionar para compartilhar com o próximo, uma relação saudável e prazerosa. Entrar em uma relação porque precisamos dela… Pode ser um relacionamento amoroso, um trabalho ou um problema familiar em que nos enroscamos.
Reclamamos da família, os pais se desentendem com os filhos, esposa com o marido… Têm relacionamentos destemperados por conflitos de toda ordem. Por que e como se desvencilhar disto?

Cada um escolhe o que e como viver. Mesmo na família, tudo depende de como você se envolve. Os sentimentos que você acolhe e emoções que o movem.

Meu pai não me entende… Meu filho é um problema… E o que você tem feito para aceitar as pessoas como elas são? Será que está sendo controlador, crítico e julgador ao extremo?

E se já sabe que não poderá mudar o outro, mas apenas você, perceba que insiste no mesmo erro. Observe a briga sem vencedores, em que cada um se acha dono da sua verdade.
Veja bem, quando você se sente magoado, ressentido, alegre ou em comunhão com alguém, é porque você escolhe se sentir assim. Você é dono do que pensa, do que sente e de como age.

Você escolhe seus relacionamentos e como se sentir com eles. Se você está em um namoro complicado, é hora de perceber como você tem se posicionado. Pode ser que ainda não tenha aceitado que o outro é como é, ponto. O problema é que você insiste em querer moldá-lo ao seu jeito.

Como sabemos, cada um de nós vive seu próprio universo. Quantas vezes você se viu em uma situação, em que tentou convencer alguém que você estava certo e a impressão que teve é que essa pessoa não entendeu nada do que você falou?
E aquele outro que se sente ofendido por qualquer coisa que você diga? Será que você quis ofendê-lo ou ele apenas se sentiu ofendido por conta própria?

Você escolhe seus relacionamentos e como se sentir com eles.
O relacionamento saudável com o próximo só surge quando você se relaciona bem com você mesmo, ou seja, seus relacionamentos interpessoais dependem de sua relação intrapessoal.

Algumas pessoas, não sentem mais a necessidade de relacionamentos conflituosos para seu crescimento interior, porque já alcançaram a liberdade de ser o que são. Elas não vivem mais os conflitos internos que a grande maioria ainda não se libertou. Não dependem mais da aprovação alheia e nem têm a necessidade de agradar alguém.

Os conflitos nos relacionamentos são frutos da confusão que cada um carrega em si mesmo. Seja no trabalho, na família ou no relacionamento conjugal, não existe certo ou errado, bom ou ruim. É sempre você que faz de seu mundo o seu céu ou inferno. Quando nos sentimos em paz interior, este é o melhor momento para a convivência. Os relacionamentos são difíceis porque nós somos muito difíceis.

À medida que nos conhecemos melhor, por meio de nossa relação intrapessoal, podemos finalmente ter relacionamentos interpessoais mais saudáveis.

🍀 🙌❤️

~ Ale Passarelli ~

Silêncios

Fernando Pessoa

Fernando Pessoa
“O significado real da iniciação é que este mundo visível em que vivemos é um símbolo e uma sombra, que esta vida que conhecemos através dos sentidos é uma morte e um sono, ou, por outras palavras, que o que vemos é uma ilusão. A iniciação é o dissipar – um dissipar gradual e parcial – dessa ilusão.”

Parque dos poetas, Oeiras, Lisboa
O sorriso do poeta.

Pessoalmente, considero-o, admirável
Mestre porque sozinho descobrio-se a si mesmo e evoluiu a um patamar que poucos homens lá chegam…

“Jesus, disse: Graças te dou, ó Pai, Senhor do céus e das terras, que ocultaste estas coisas aos sábios e entendidos, e as revelaste aos pequeninos”. Mateus 11:25

#Fernandopessoa, #ocultismo, #astrólogo, #místico, #poeta

#parque dos poetas, #Oeiras, #Lisboa #estátuafernandopessoa, #julho2018

Pois é…😍😍😍

Sexualidade e Espiritualidade

http://www.jeshua.net/por/healing/healing7por.htm