Reiki no tratamento das crianças com necessidades especiais

UM PROCESSO TERAPÊUTICO PARA UMA MELHORIA DE VIDA

É do conhecimento dos profissionais que lidam com as crianças diferentes, ou ditas “especiais”, e em particular com o problema da integração social – uma questão que acompanha os homens desde os tempos mais antigos da civilização. Porque a sociedade, em diferentes épocas da nossa história, demonstrou atitudes de discriminação e menosprezo a essas pessoas. Essa atitude ainda ocorre, porque, em essência, poucas foram as modificações ocorridas nas relações sociais. Então, a inclusão, exige a valorização das capacidades e não das diferenças das pessoas. A atenção deve estar no equilíbrio adequado do papel das instituições. Na procura de uma melhor integração e interacção da pessoa com necessidades especiais na sociedade, deveremos começar com os profissionais que estarão envolvidos neste processo, sejam eles professores ou especialistas. Antes de tudo, todos deverão ter uma visão generalista e holística dos deficientes. O termo Holístico traz consigo um significado do grego “Holos”, ou seja, “todo” ou “total”, defendendo que o corpo físico não pode ser tratado isoladamente. Noutras palavras, o seu entendimento leva em conta todos os níveis do ser humano (físico, energético, emocional, mental, psicológico, etc.) e não só da parte física e dos seus sintomas, considerando que estes níveis estão interligados e se afetam mutuamente. Desse modo, sintoma ou doença física é considerada apenas um efeito de desarmonia entre os níveis. É importante salientar que a estrutura e o ambiente escolar devem também estar adaptados para receber e compensar as deficiências destas pessoas. Ninguém melhor do que os professores e especialistas para estruturarem esses locais, para uma melhor socialização dessas pessoas e para os tornar o mais independentes possível. O problema engloba a melhoria na qualidade de vida das pessoas com necessidades especiais, para que eles possam voltar a ocupar o seu lugar na sociedade. A dislexia, o autismo, a paralisia cerebral, a hiperatividade, as desordens de atenção, as dificuldades de aprendizagem e muitos outros, são problemas com que nos deparamos em nosso dia-a-dia e para os quais poucas soluções existem, ou melhor, poucas soluções se conhecem. No entanto, cada vez mais estão surgindo novas teorias e novas formas de melhorar e aliviar tais problemas. Sabemos que essas disfunções se devem a mau funcionamento no nível do sistema nervoso central. Como o sistema nervoso central é um campo muito vasto, vemos que existem muitas teorias, mas, por vezes, as soluções tardam a dar resultados, ou esses resultados são inconsistentes. A observação de jovens, adultos e crianças tem mostrado a existência de disfunções no corpo e no sistema sacro craniano. Vê-se que a correção dessas disfunções resulta num melhoramento grande nas condições de dislexia, autismo, hiperatividade, desordens de atenção, problemas de aprendizagem, agressividade, depressões, etc…, que os adultos e crianças apresentam. Infelizmente, muitas das disfunções existentes no corpo ou no sistema sacro craniano não são detetáveis nos exames que atualmente são realizados. Uma vez que essas disfunções não são visíveis nos exames, e que são poucas as pessoas treinadas na sua deteção e correção, essas disfunções passam então despercebidas pela grande maioria dos profissionais da saúde. É dessa forma que apenas se detetam as consequências ou os resultados do mau funcionamento do corpo e do sistema sacro craniano, mas não as suas causas e origens. E são essas alterações que, muitas das vezes, provocam o mau funcionamento do sistema nervoso. Se o corpo não está bem, ele acaba por criar um desconforto constante que esgota e altera todo o sistema nervoso e mental. Com as técnicas das terapias complementares, como o Reiki, um terapeuta devidamente treinado vai, através de diversas técnicas, agir sobre diferentes estruturas celulares, provocando a recuperação desse movimento perdido. Estas terapias, que poderíamos definir como uma “terapia não agressiva e nem invasiva”, através de pequenos estímulos, voltam a permitir que o corpo ative as suas frequências básicas e, assim, a sua capacidade de auto cura e equilíbrio. Usamos, então, o Reiki, que é compatível com qualquer tipo de tratamento alopático ou homeopático. O tratamento de pessoas com necessidades especiais dá-se ao nível do sistema nervoso; lesões cerebrais podem ser facilitadas através da aplicação do Reiki, que trabalha com todos os tipos de energia, que será mais benéfico quando aliado à Medicina Tradicional.

REIKI COMO TERAPIA COMPLEMENTAR O Reiki deve ser chamado de terapia complementar e não alternativa, uma vez que elas complementam e não substituem nem a Medicina Tradicional, a Convencional ou qualquer outra terapia. Tudo se complementa, pelo que não deve ser dito que uma é melhor do que outra, ou que uma substitui a outra. Algumas técnicas terapêuticas dão melhores resultados nuns problemas do que noutros; cabe sempre à pessoa o direito de decidir o que quer para ela e qual a técnica, terapia ou medicina que deseja. O ideal é usar várias das formas a complementarem-se, pois, dessa forma, os resultados são muito superiores. Ao profissional cabe o papel de aconselhar e recomendar convenientemente à pessoa aquilo que acha melhor para ela, baseado nos seus conhecimentos. Esse trabalho tenta esclarecer sobre algumas medicinas complementares, bem como suas capacidades, utilidades e contra indicações.

TERAPIAS VIBRACIONAIS Terapia Vibracional é um termo genérico que designa todas as terapias que visam atuar no campo de energia de um outro ser, com o objetivo de equilibrá-lo. Tudo no Universo é composto de energia interligadae o nosso corpo não é exceção. Essa energia vibra e é absorvida pelo nosso corpo através dos nossos corpos subtis. Mas, por vezes, esse equilíbrio é quebrado e a entrada e saída de energia é feita de forma deficiente, por razões que têm a ver com o tipo de vida e emoções que vivemos, levando-nos a um estado de doença. No entanto, existe à nossa volta tudo o que precisamos para nos curar e nos libertar das impurezas, equilibrando as nossas energias. A terapia Reikiana considera que existem corpos subtis que interagem entre si, e que uma alteração no Corpo Físico é sempre precedida por outra em algum dos corpos subtis, sendo a doença uma somatização de alguma desarmonia ocorrida em algum plano energético. A cura consiste então em harmonizar as vibrações dos nossos corpos subtis, resultando ao nível do paciente numa melhoria de saúde e bem-estar. Uma maneira de situarmos as vibrações dos corpos subtis é lembrarmo-nos do espectro vibracional da natureza, onde estão incluídas as frequências baixas, como por exemplo, as eletromagnéticas (ondas de rádio e TV), as do espectro de luz visível (do infravermelho ao ultravioleta), as de micro-ondas e muitas outras. As vibrações dos corpos subtis que envolvem o corpo físico também estão neste espectro, e podem ser harmonizadas pelo fenómeno da ressonância ao contacto com vibrações de mesma frequência. A grande vantagem nestas terapias é não terem efeitos secundários, pelo contrário, contribuem para anular os efeitos secundários de tratamentos complexos das medicinas convencionais, restituindo o equilíbrio físico, emocional, mental e psicológico.

O REIKI COMO TERAPÊUTICA NATURAL Reiki é uma palavra japonesa que significa “Energia Vital Universal”, que circunda por todos os lugares pelo nosso corpo, mantendo-o vivo e ativo. Então, o Reiki é o processo do encontro e equilíbrio dessas duas energias: a energia universal com a nossa porção física. Quando fazemos uso da energia Reiki estamos aplicando energia-luz, visando recuperar e manter a saúde física, a mental, a emocional e a espiritual. É um método natural de equilibrar, restaurar, aperfeiçoar e curar os corpos. O Reiki hoje é um método consagrado, sendo reconhecido como umas das terapias complementares à saúde pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Nos Estados Unidos é aplicado em muitas instituições de saúde, como o The Medical Center of Massachusetts e o New London Hospital. No Brasil, temos conhecimento que a terapia é aplicada desde 1999 no hospital universitário Gaffrée e Guinle Unirio, na cidade do Rio de Janeiro. Em Portugal e em Espanha diversos hospitais estatais fazem aplicações de Reiki em doentes terminais ou com doenças crónicas muito desenvolvidas, trazendo um aumento de qualidade de vida, assim como o retrocesso de algumas doenças. São, respetivamente, os casos do hospital de São João, através da enfermeira Zilda Alarcão, e o hospital El Cajal.

VANTAGENS E BENEFÍCIOS O Reiki encontra-se ao alcance de todos, inclusive crianças, idosos e pessoas doentes. A aplicação de Reiki às crianças com necessidades especiais (paralisia cerebral e autistas, por exemplo) proporciona um aumento de consciência, uma melhoria na sua atenção no dia-a-dia, e aumenta o fluxo sanguíneo, de forma a melhorar todos os órgãos internos. Não existe limite de idade e nenhuma condição prévia é exigida para a aplicação da técnica de Reiki. É um processo simples e direto, podendo ser aplicado num espaço calmo e sossegado. A técnica é segura, sem efeitos colaterais ou contraindicações, sendo compatível com qualquer outro tipo de terapia ou tratamento. Não é um sistema religioso, filosófico com restrições e tabus. Não usa talismãs, preces, mentalizações, visualizações ou qualquer objeto para a sua aplicação prática. A energia não é manipulativa e o praticante simplesmente coloca as mãos e a energia flui na intensidade e na quantidade determinada por quem a recebe. Não é necessário despir o paciente durante a aplicação, pois a energia circula através de qualquer roupa. O terapeuta não precisa conhecer o diagnóstico da patologia para efetuar com sucesso o tratamento. O Reiki energiza e não desgasta o praticante, pois a técnica não se utiliza o Ki (energia quântica) do praticante, mas sim da Energia do Universo. O Reiki é um ótimo recurso para equilibrar os sete principais chakras, que estão localizados da base da coluna ao alto da cabeça.

O REIKI ALIVIA RAPIDAMENTE AS DORES FÍSICAS A prática do Reiki está inserida no contexto das práticas terapêuticas alternativas reconhecidas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e serve igualmente para o auto tratamento, o tratamento de outras pessoas, plantas e animais. Durante os tratamentos, embora não seja comum a todas as pessoas, ocorreram casos em que aconteceram afloramentos de dores físicas, emoções e lembranças geradoras de traumas e bloqueios. Alguns resultados possíveis das primeiras atuações do Reiki são os seguintes: – dores em regiões em desequilíbrio; – dores de cabeça (é comum ter dores de cabeça, sobretudo se a pessoa apresenta ainda alguma resistência interna – a dúvida é um sinal de que há resistência); – libertação do intestino, com possível diarreia; – aumento do fluxo urinário (como o Reiki age, primeiro, de forma a “limpar” o organismo, é comum e até natural que tanto a bexiga quanto o intestino sejam libertados, pois são os dois principais órgãos excretores do nosso organismo); – aumento ou supressão do fluxo menstrual (o Reiki vai agir sobre o sistema reprodutor, em especial o feminino, de modo a equilibrar as suas funções); – sono exagerado (o Reiki provoca o restabelecimento físico, de modo que as pessoas stressadas, muito cansadas ou em desequilíbrio são tomadas por sono incontrolável, até voltarem a equilibrar-se); – aversão a alguns alimentos (em muitos casos a carne vermelha, sobretudo a carne de porco, e, individualmente, os alimentos que são ingeridos em excesso – o Reiki promove equilíbrio como um todo); – aversão a substâncias tóxicas (cigarro, drogas, alimentos com excesso de agrotóxico, inseticidas, etc.); – aumento de sensibilidade (as pessoas tornam-se mais sensíveis). Num primeiro momento, as emoções podem manifestar-se de maneira descontrolada, fazendo com que a pessoa ria ou chore aparentemente sem motivo. Com o decorrer do tempo, conforme o Reiki vai agindo sobre a pessoa, as suas emoções vão-se controlando, mas, mesmo assim, torna-se mais sensível e mais preceptiva, conseguindo responder aos impulsos energéticos com maior prontidão, percebendo intenções alheias, etc.. No entanto, temos que olhar a cura e não os desconfortos transitórios inerentes ao processo. Por vezes, o Reiki pode não produzir a cura física, mas atua na cura da mente, produz relaxamento das tensões, dissolve o stresse, é eficaz em estados depressivos, ansiedade e pânico, e muitos outros. O Reiki gera calma, amor e paz profunda.

Sérgio Silveira Fundador da Anastácia-Centro de Terapias Alternativas, presidente da APRE-Associação Portuguesa de Reiki Essencial; autor dos livros Reiki Essencial – O Manual dos Mestres e Formação Avançada para Terapeutas e Mestres de Reiki.

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s